Colunistas
Futlama
por Manoel Façanha



O assunto preferido entre o meio esportivo acreano durante a segunda-feira (11) diz respeito à realização da rodada dupla ocorrida na tarde de domingo (10) no impraticável e encharcado gramado do estádio Florestão, onde o torcedor que pagou ingresso e pegou chuva quase não teve a oportunidade de assistir uma partida de futebol, mas sim, assistir lamentáveis cenas dos artistas da bola que ora lutavam para ficar em pé, ora para tirar lama dos olhos…

Isso é desumano, diz zagueiro

Logo após o apito final do árbitro José Lima, o zagueiro celeste Diego, ao deixar o gramado do estádio Florestão, fez um desabafo e criticou a realização da partida contra o Vasco da Gama-AC naquela circunstância do gramado do estádio de propriedade da Federação de Futebol do Acre. “Como atleta fica minha indignação de jogar nestas condições. Isso é desumano para qualquer jogador de futebol”, disparou o capitão do Galo Carijó.

Árbitro: ordem veio de cima

O árbitro José Lima, responsável em conduzir o empate sem gols entre Atlético Acreano e Vasco da Gama, declarou para o cronista esportivo Jessé Moreno (Rádio Eco Acre FM 106.5) que teria recebido ordens superiores para a realização da partida naquelas condições do gramado.

O certo é que as duas partidas ocorreram – a segunda, vitória do Independência sobre o São Francisco por 4 a 1 – com a integridade física dos atletas em risco.

O prudente neste momento seria os dirigentes de clubes solicitarem da FFAC a transferências das partidas do estádio Florestão para a Arena da Floresta até que as chuvas cessem.

Água, lama e bola se “misturam”

O gramado pesado do estádio Florestão propiciou cenas como essa registrada pela minha lente no empate sem gols entre Vasco da Gama e Atlético Acreano. No lance, o atacante vascaíno Marcelo Cabeção (foto) praticamente mergulhou para encontrar a bola da partida.


AS CURTINHAS

Nesta segunda-feira (11), a Associação dos Cronistas Esportivos do Acre (ACEA) emitiu nota de pesar pelo falecimento do ex-presidente da Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace) Aderson Nogueira Maia.

Aderson Maia (foto) tinha 81 anos de idade, era natural de Fortaleza-CE e presidiu a Abrace por 22 anos (1995 a 2017). O sepultamento dele ocorre nesta terça-feira (12), no cemitério Parque da Paz, na capital cearense.

Aderson Maia era casado com a Angélica Pinto Nogueira, tinha três filhos e cinco netos.

Em 2015, Aderson Maia, a convite da Associação dos Cronistas Esportivos do Acre (Acea) e da Federação de Futebol do Acre (FFAC), fez uma visita à capital acreana, onde recebeu homenagem das duas entidades pelos relevantes serviços prestados ao esporte brasileiro.

Bom dia!

 

© Copyright 2004 - 2019 / Todos os direitos reservados a Futebol do Norte